domingo, 7 de setembro de 2008

Bloodlust

Já me serviram vários corações,
em bandejas até.
De ouro, prata
e mesmo tabuleiros de plástico colorido.
Os que me foram recusados
arranquei à mão cheia,
a quente ou a frio,
conforme o comprimento do ano
ou a altura do mês.
Garras pintadas de vermelho.
Alguns beijei-os apenas
para provar o sabor a sangue,
outros mordisquei,
uma dentada aqui ou então.
Uns poucos mastiguei
com toda a crueldade de que me julgo capaz
(pobre rapaz!).
Cuspi pedaços, babei-me um pouco,
pequenas veias prenderam-se-me nos dentes.
Lábios encarnados
(carnudos, sujos de cardio-carne, ficção científica, bem os observei e cheirei).
Mastigo bem.
Mas não engulo.
A minha mãe ensinou-me
não se brinca com a comida
mas há coisas que não aprendo
faz de conta que não sei.
Sou uma menina má.
Má pessoa, má pessoa.
Mas limpei o sangue debaixo das unhas.

6 comentários:

QT disse...

Optimo é o que me apraz dizer..as frases finais são qualquer coisa de especial (fizeram-me rir, no bom sentido claro..)

Quanto ao teu comentário concordo sem dúvida que a Crystal Ship é uma grande música..mas não tão grande como Riders on The Storm..

QT disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
QT disse...

Só um acrescento a fotografia que colocaste é de Nosferatu!?(desculpa a minha ignorância mas faz-me lembrar)

QT disse...

Clap clap..é sempre agradável encontrar referências aos primórdios da 7ª arte..

ARN disse...

Até me deixas a boca a saber a sangue. Estás cada vez melhor. Qualquer comentário que tente deixar parece-me sempre ignorante e pobre. Raiossssss

Morena disse...

sem palavras, brutal